Modo Noturno:

Crítica: The Witcher – Lenda do Lobo

The Witcher: Nightmare of the Wolf, Coreia do Sul/EUA, 2021


Caprichada na ação, animação Lenda do Lobo adiciona mais contexto ao universo de The Witcher

★★★★☆


Clique para comprar

Apesar de não se aprofundar tanto quanto poderia no universo de The Witcher, a animação The Witcher: Lenda do Lobo provê bastante contexto sobre a linhagem de guerreiros da qual Geralt de Rívia (Henry Cavill) faz parte. Com apenas oitenta minutos de duração, a produção cobre a origem de seu mentor, Vesemir (Theo James), e a queda do refúgio de Kaer Morhen, castelo no qual os witchers (ou bruxos) da Escola do Lobo se reuniam para descansar e treinar.

the witcher lenda do lobo 1Há dois grandes destaques em The Witcher: Lenda do Lobo. O primeiro é Vesemir, que se mostra um herói carismático e bem-humorado, ao contrário do soturno e calado Geralt. Ele é o tipo de personagem que deixa o espectador sedento por mais aventuras e por mais interações dele com outras figuras desse universo, o que é de se esperar que aconteça na segunda temporada de The Witcher. O ator Theo James está ótimo no papel e também funcionaria caso a versão mais jovem de Vesemir tivesse que aparecer em live action. Na série, uma versão mais velha dele será interpretada pelo ator Kim Bodnia.

Clique para comprar

O outro grande destaque de The Witcher: Lenda do Lobo é a ação, que cobre a maior parte do tempo de duração e que pode ir muito além do que foi feito na primeira temporada da série. A qualidade da animação é tão boa que lembra a série Castlevania (crítica aqui), apesar de não estar exatamente no mesmo nível. As duas produções também possuem semelhanças temáticas, usando uma história de fantasia para refletir sobre alguns dos aspectos mais sombrios da humanidade.

Assim como Castlevania e Mestres do Universo: Salvando Eternia (crítica aqui), essa não é uma simples história sobre a luta do bem contra o mal. Forças malignas e forças teoricamente benévolas estão presentes, mas nem tudo é o que parece ser. Por um lado, a desconfiança e o preconceito que os seres humanos sentem pelos bruxos lembra a forma como várias minorias (como judeus, ciganos e populações indígenas) foram tratadas ao longo da história, resultando em vários genocídios. No universo de The Witcher, os elfos são os principais alvos desse tipo de preconceito, a ponto de serem vítimas de várias ações de limpeza étnica promovidas pelos seres humanos.

the witcher lenda do lobo 2Por outro lado, alguns dos witchers, que não querem ser vítimas de ações similares e pretendem manter seu estilo de vida, enganam e cometem crimes contra os humanos. A ideia é evitar um massacre ao se mostrarem úteis contra monstros ou outras forças malignas, mas muitas vezes o resultado é a alimentação do ciclo de desconfiança e preconceito. Obviamente, essas ações criminosas, combinadas com a histeria coletiva, são usadas pela população para colocar todos os bruxos na mesma categoria e justificar uma matança.

Sombrio e sangrento, The Witcher: Lenda do Lobo serve tanto como prequela para a primeira temporada da série quanto como preparação para a segunda. Os eventos mostrados aqui servirão para dar mais impacto à aparição do Kaer Morhen e à participação de Vesemir nos novos episódios. Porém, a animação também deixa o espectador curioso sobre outras aventuras de Vesemir e sobre o processo de treinamento de Geralt, o que pode ser explorado tanto em outras animações quanto nas próximas temporadas.