Modo Noturno:

Crítica: O Falsificador Mórmon

Murder Among the Mormons, EUA, 2021


Série documental mergulha na vida e na mente de um psicopata encontrado em uma improvável comunidade

★★★★☆


Nada é o que parece ser na minissérie O Falsificador Mórmon, produção que mostra um caso de assassinato que abalou a comunidade mórmon de Utah nos anos 1980. Ao longo de apenas três episódios, a série vai lentamente apresentando os fatos e as reviravoltas relacionadas com três crimes chocantes em Salt Lake City, criando drama e suspense de forma natural e cativante. A revelação do culpado é seguida de uma assombrosa análise da extensão de seus crimes e da natureza de sua psicopatia.

murder among mormons 2O primeiro episódio apresenta a não tão empolgante comunidade de colecionadores e negociadores de documentos antigos da cidade de Salt Lake City, que lidam principalmente com documentos relativos às origens do Movimento dos Santos dos Últimos Dias. Apesar das compras e vendas envolverem altas somas de dinheiro, os envolvidos parecem ser pessoas tranquilas e membros exemplares da igreja. Isso aumenta o choque causado por atentados à bomba direcionados a três deles: Steve Christensen, Gary Sheets e Mark Hoffman.

Christensen e a esposa de Sheets morreram imediatamente, enquanto Hoffman foi levado em estado grave para o hospital. O segundo episódio mostra os esforços da polícia local e de especialistas federais para desvendar a trama que culminou nos atentados. Depois de muitas idas e vindas, a revelação de quem seria o culpado deixa todos os envolvidos absolutamente chocados. O título brasileiro estraga parte da surpresa ao revelar que há um falsificador envolvido, mas a extensão e a qualidade de seus crimes também são capazes de causar espanto.

O terceiro episódio de O Falsificador Mórmon faz uma retrospectiva da vida do assassino e mostra como desde cedo ele esconde o lado sombrio e manipulador de sua personalidade. Ele lembra o caso de Richard Kuklinski, assassino de aluguel da máfia que mantinha uma improvável fachada de vida familiar e normalidade (sua história é contada no filme O Homem de Gelo). Na série, é possível ouvir a voz do próprio culpado falando sobre como cometeu os crimes e como ele lida emocionalmente e filosoficamente com aquelas ações.

murder among mormons 1Consequentemente, o documentário também provê reflexões sobre a natureza da fé religiosa, já que o material produzido pelo falsário foi capaz de levar as pessoas não apenas a questionarem o surgimento do movimento mórmon mas também a própria fé. De certa forma, o caso colocou em cheque os mecanismos da crença: mesmo as histórias mais absurdas vão parecer críveis e razoáveis quando elas confirmam o que se quer que seja confirmado. A vontade de acreditar é capaz de suprimir completamente a desconfiança e o pensamento crítico.

O ritmo de O Falsificador Mórmon pode ser um pouco lento para muitas pessoas, mas a curta duração da série garante que as respostas vão chegar com rapidez. Até lá, os diretores conseguem manter a atenção e a curiosidade do público com um razoável grau de maestria. O resultado pode não ser nada no nível de Wild Wild Country (comentário aqui), mas é bom o suficiente para ficar na mente do espectador após o episódio final.