Modo Noturno:

Crítica: Search Party – 5ª Temporada

Search Party – Season 5, EUA, 2022


HBO Max · Trailer · Filmow · IMDB · RottenTomatoes

★★★★☆


A temporada final de Search Party oferece uma conclusão tão insólita quanto divertida para a grande jornada narcisista de quatro jovens millennials de Nova York. Mais que isso, essa última leva de episódios também serve como uma espécie de “manual prático” de como as seitas destrutivas são criadas e mantidas por seus delirantes líderes. O resultado é uma trama que investe mais pesado do que nunca no terror psicológico, até a situação se transformar em uma típica história de terror com um específico tipo de monstro.

search party temporada 3

A premissa da temporada é que, depois de uma experiência de quase morte, o narcisismo de Dory Seif (Alia Shawkat) chega a seu pico, levando-a a se considerar uma pessoa super-iluminada e detentora de todos os segredos do universo. No melhor estilo gratiluz, sua positividade fica rapidamente tóxica e desconectada da realidade, levando Drew (John Reynolds), Elliott (John Early) e Portia (Meredith Hagner) a imediatamente solicitarem sua internação em uma instituição de saúde mental. Posteriormente, sua situação evolui para um completo complexo de messias.

Porém, suas falas cheias de amor e esoterismo a levam a ganhar “seguidores” ainda durante sua internação. Ela projeta uma imagem de pureza e sabedoria, dando esperança e significado para pessoas que estão passando por atribulações em suas vidas. Para isso, ela basicamente fala tudo o que as pessoas querem ouvir (que elas são boas, que merecem ser amadas, que possuem uma bela energia, etc.) e se coloca como uma figura mais sábia do que as pessoas “normais”. Mais tarde, ela também explora as inseguranças de seus potenciais seguidores e oferece soluções quando eles estão fragilizados, lembrando os típicos casos de acolhimento e dominação.

Seu comportamento não lembra apenas o de líderes de seitas, mas também o de coaches, de gurus espirituais e de auto-ajuda e o de terapeutas holísticos. São atitudes que, apesar de nem sempre representarem um completo Transtorno de Personalidade Narcisista, podem trazer sérios problemas para os seguidores. No caso de Dory, seu narcisismo a coloca no caminho de um outro narcisista, o bilionário Tunnel Quinn (Jeff Goldblum), e juntos eles tentam desenvolver uma pílula que trará “iluminação” para toda a humanidade.

search party temporada 2

A quinta temporada de Search Party possui vários paralelos com a minissérie Missa da Meia-Noite, na qual um padre se considera especial ao descobrir uma fonte de “milagres” e decide compartilhá-la com uma comunidade. Há também muitas similaridades com a terceira temporada de Legion, durante a qual o protagonista se deixa levar por delírios narcisistas e funda uma seita, da qual ele é o líder supremo. Nas três produções, o líder passa a ser idolatrado pelos seguidores e o sofrimento deles (por meio de abusos físicos e psicológicos) é ressignificado como uma forma de purificação ou uma prova de lealdade.

Tanto Dory quanto os protagonistas das outras séries atraem seguidores oferecendo-os participação em algo especial e grandioso, pois eles serão os pioneiros de uma grande “revolução”. Eles são levados a acreditar que eles e as demais pessoas do mundo estão vivendo uma ilusão, e apenas a liderança iluminada conhece a verdade que os libertará. A seita lhes oferece uma verdade absoluta e inquestionável, ou, pelo menos, uma certeza absoluta e inquestionável. É claro que os potenciais seguidores que não se comprometem com a lealdade cega e total são gentilmente (ou não) solicitados a se retirarem.

Paralelamente, em Search Party, Chantal (Clare McNulty) segue em sua cômica busca por isenção de qualquer tipo de responsabilidade sobre sua própria vida. Dessa vez, ela se envolve com Liquorice (Kathy Griffin), uma fanática por teorias da conspiração que elabora uma fantástica trama sobre viagem no tempo e o fim do mundo. Isso cai como uma luva para Chantal, a “criança” adulta, que prefere acreditar que há “forças misteriosas” em ação do que reconhecer que os problemas em sua vida são causados por suas próprias ações.

Tudo isso faz com que Search Party tenha uma temporada final digna das insanidades vistas nas temporadas anteriores, levando os acontecimentos a extremos que seriam impossíveis de imaginar durante a primeira temporada. De alguma forma, a série consegue equilibrar os elementos mais realistas com os elementos mais fantasiosos de forma não apenas natural mas também extremamente engraçada, utilizando-os para satirizar uma geração que parece estar encantada com si própria.

Siga ou compartilhe: