Modo Noturno:

10 dicas para lidar com as suas Inseguranças

Esse é apenas mais um artigo com dicas para se lidar com inseguranças, mas espero que ele ofereça ideias e pontos de vista diferentes do que é comumente apresentado. Apesar disso, vamos começar com um ponto bem comum nesse tipo de lista:

1. Pratique o autoconhecimento

O motivo pelo qual o autoconhecimento é uma estratégia tão básica para se lidar com esse tipo de problema é que ele nos ajuda a diferenciar entre nossas reais limitações e nossas injustificadas inseguranças. Além disso, o autoconhecimento pode nos ajudar a identificar situações que têm o potencial de “ativar” as inseguranças, permitindo que possamos evitá-las ou que nos preparemos para lidar com elas sem duvidar de nós mesmos. Nesse sentido, é bom conhecer os sintomas da insegurança emocional.

2. Não obedeça apenas aos pensamentos negativos

Uma outra dica típica dessas listas vai na linha do “pense positivo”. Porém, esse é um conselho genérico demais e pode nos levar a ignorar os sinais de problemas. Ao invés disso, é bom lembrar que os sentimentos ou pensamentos negativos também podem nos ser úteis, na medida em que nos deixam alertas para os perigos ao nosso redor. O problema é quando nós só vemos o lado negativo das coisas e acabamos paralisados pelo medo, o que pode resultar em muitas oportunidades perdidas. Portanto, nem ignore e nem foque apenas nos aspectos negativos das situações.

3. Evite pessoas que só sabem te criticar

Uma das características de algumas pessoas inseguras é a necessidade de inferiorizar os outros para compensar as próprias inseguranças e se mostrarem superiores. Dessa forma, a insegurança de uma pessoa pode acabar alimentando (ou mesmo criando) as inseguranças de outras. Caso não seja possível evitar esse tipo de pessoa, nós precisamos então utilizar nosso autoconhecimento e nossa inteligência emocional para lidar com a situação sem sermos seriamente afetados. No geral, evite se colocar em situações nas quais suas inseguranças serão ampliadas ou mesmo exploradas por outras pessoas. E, é claro, não deixe que as inseguranças dos outros se tornem suas.

4. Seja sincero com você mesmo e leve em conta as evidências

Ao invés de escutar aquelas vozes internas ou externas que querem apenas te diminuir, tente avaliar suas habilidades e as situações ao seu redor da forma mais objetiva possível. Ao analisar as evidências de forma relativamente fria e racional, nós podemos evitar o medo paralisador e as paranoias infundadas. É preciso saber diferenciar entre as informações que nós realmente temos e as informações que nós apenas imaginamos ter (ou nas quais queremos acreditar). Mais importante do que ser pessimista ou otimista é tentar ser realista.

5. Questione suas crenças limitantes

Muitas vezes, a insegurança é fruto de alguma crença que nós internalizamos e já nem sabemos porque a temos. As crenças limitantes podem ter raízes na infância ou na adolescência, fazendo com que a pessoa se veja de uma determinada forma devido a traumas, críticas ou ensinamentos recebidos nessas épocas. Porém, para podermos evoluir, temos que sempre questionar aquilo que sabemos sobre nós mesmos e ampliar nossos horizontes e nossas possibilidades. Por exemplo, qual o seu maior defeito? Será que ele realmente é um defeito? Se for, por que você ainda o tem? Você poderia fazer algo para alterá-lo ou para, pelo menos, alterar a forma com a qual você lida com ele? Lembre-se de que nada é inquestionável.

6. Busque sempre aprender e evoluir

Se a sua autoanálise te informa objetivamente que você tem algumas limitações, você pode trabalhar para removê-las ou focar seus esforços em áreas nas quais você é menos limitado. De qualquer forma, as limitações não precisam ser eternas e nem precisam ser os aspectos que te definem. Além disso, um completo fracasso só é realmente “completo” se você não aprende nada com ele. Tanto as pequenas quanto as grandes frustrações do dia-a-dia vêm com aprendizados. Só é preciso ter a mente aberta, prestar atenção e dar um passo de cada vez.

7. Aceite os momentos embaraçosos

O medo de errar pode ser paralisador, mas é preciso aceitar o erro como um mecanismo de evolução. Por mais que um erro possa causar tristeza ou embaraço, é preciso estar disposto a aprender com ele e a seguir em frente. Um momento embaraçoso ainda é apenas um momento, e ele também passará. O que nós não podemos fazer é ficar presos no momento ruim e deixar que ele defina o nosso futuro.

8. Seja capaz de se responsabilizar pelas suas ações

Uma forma de piorar uma situação ruim e fazê-la durar por mais tempo do que o necessário é tentando evitar as consequências ou a responsabilidade por ela. Mas nem sempre é possível evitar ou escapar das situações que minem a nossa autoconfiança. Nesses casos, é preciso ter a firmeza moral e a resiliência necessárias para lidar com o momentos mais desagradáveis e agir de forma a encurtá-los e de aprender com eles.

9. Entenda que você é uma pessoa completa e não existe apenas em função de outras

Você não precisa ser nem superior e nem subalterno para merecer o respeito e a admiração das pessoas. Se você precisa se comparar ou conquistar o respeito de alguém, que esse alguém seja você mesmo. Para suas conquistas serem impressionantes elas não precisam ser superiores às conquistas das outras pessoas. O mais importante é você ser capaz de se olhar no espelho e ter a certeza de que você fez tudo o que você podia com tudo o que você tinha. Muitas vezes, o ato de ter se esforçado ao máximo já é uma recompensa por si só. E mesmo se você poderia ter feito mais, essa é mais uma lição para a próxima vez.

10. Lembre-se que a vida continua

Lembre-se das inseguranças que você já superou e dos momentos ruins que hoje não passam de memórias. As inseguranças e desafios do presente e do futuro também podem ser superadas e também podem ficar para trás. Por mais que a possibilidade de desafios futuros causem uma certa ansiedade, isso faz parte não apenas de estar em constante evolução mas também de estar vivo e vivendo.

E se essas dicas ainda não forem o suficiente ou seu caso for mais grave, não hesite em buscar ajuda profissional. 🙂

Veja também:

Siga ou compartilhe: