Modo Noturno:

Crítica: Arkansas

Arkansas, EUA, 2020


Arkansas é uma pequena saga em um mundo do crime que também parece existir em pequena escala

★★★☆☆


A narrativa de Arkansas está mais focada em explorar as vidas de seus personagens do que na história de crime em si. O filme deixa a impressão de que foi apenas por acidentes do destino que Kyle (Liam Hemsworth), Swin (Clark Duke, que também dirige a produção) e Frog (Vince Vaughn) se envolveram no mundo do tráfico de drogas, da mesma forma que uma pessoa normal começa em um emprego e passa décadas nele por puro comodismo. Essa abordagem é bem interessante, mas o ritmo lento combinado com uma certa falta de foco acaba por diminuir o impacto da história.

O que mantém o espectador interessado são as surpresas que vão sendo jogadas na direção dos personagens, obrigando-os a aproveitá-las como oportunidades ou a improvisar sem pensar no longo prazo. Isso mantém o filme com um bom nível de imprevisibilidade, o que é importante, já que não há outros grandes atrativos. O tempo de duração é um pouco exagerado, mas isso é compensado por uma clara divisão em cinco atos, o que facilita assisti-lo com intervalos.

Dois desses atos se passam nos anos 1980 e abordam a ascensão de Frog no mundo do crime, mostrando como ele começou no ramo e quais decisões ele teve que tomar para chegar ao topo da pequena e lucrativa organização criminosa que chefia. A ideia desses “flashbacks“, que poderiam ser um outro filme, não é apenas explicar o passado do personagem, mas também traçar um paralelo entre sua jornada e a jornada de seus dois funcionários, Kyle e Swin.

Há também os paralelos entre a vida no crime e a vida normal. Uma vez que seus negócios se estabilizam (mesmo que seja uma falsa estabilidade), os três personagens começam a se preocupar com outros aspectos da vida, como família e aposentadoria. Eles percebem que, no fim das contas, algumas das suas maiores preocupações são as mesmas preocupações de trabalhadores assalariados. A grande diferença é que eles também precisam se preocupar com a polícia, com a violência de concorrentes e com possíveis traições de colegas de trabalho.

Arkansas poderia ser beneficiado pela aplicação de mais alguns floreios narrativos e por um ritmo mais estável. Enquanto alguns momentos se alongam mais do que o necessário, outros passam tão rápido que é preciso estar prestando bastante atenção para não perder nada. Vaughn e Duke prendem a atenção com certa facilidade, mas o tipo sisudo e calado interpretado por Hemsworth nem sempre funciona como deveria. Não há muito o que dizer sobre sua atuação, mas talvez ele não tenha sido a escolha certa para o papel. Já Eden Brolin está ótima como Johnna, namorada de Swin que passa a fazer parte do grupo.

Apesar das imperfeições, Arkansas é uma promissora estreia na direção de longa-metragens para Clark Duke, que ainda precisa polir um pouco suas habilidades atrás da câmera. A escolha do material e do tema abordado mostra que o diretor tem um bom olho para histórias que são capazes de entreter e divertir enquanto lidam com temas mais sérios e reflexivos.